Conheça as linguagens de programação que mais crescem no mercado de TI

A área de tecnologia da informação vai continuar crescendo em 2018 e por isso o mercado vai precisar de mais profissionais qualificados, especialmente em programação. A possibilidade de ter uma remuneração melhor atrai cada vez mais candidatos para atuar como programadores e desenvolvedores. Se animou? Então lembre-se que as linguagens de programação estão sempre sendo aperfeiçoadas, portanto, você precisa continuar estudando e se atualizando constantemente para não enferrujar.

Mas são tantas as possibilidades e cursos que às vezes fica difícil decidir onde concentrar os estudos. Para te ajudar nessa tarefa separamos algumas linguagens de programação que vão crescer ou continuar em alta neste novo ano.

Python

Python é uma das linguagens de programação mais utilizadas nos últimos anos e não deve ser diferente nos próximos tempos. O aumento das demandas em projetos de machine learning, por exemplo, fez com que crescesse muito sua utilização para análise de dados e, consequentemente, também se faz necessário ter mais profissionais que saibam programar em Python.

É uma linguagem versátil e dinâmica, por isso é utilizada por profissionais de frentes diversas, como desenvolvedores web, desktop e full-stack, DevOps, sysadmin, engenheiros de software, entre outros. Não que seja uma regra, mas pode ser um grande diferencial saber programar em Python. Portanto, se você já conhece o sistema ou está pensando em se aprofundar nele, vá em frente.

Java

Tem gente que aposta que o Java tende a cair entre as tantas opções disponíveis em linguagens de programação, mas o mercado diz o contrário. As grandes empresas e plataformas ainda prefere utilizar Java, portanto, existem oportunidades para quem sabe utilizar essa linguagem orientada a objetos.

O Java costuma ser muito utilizado em aplicativos desenvolvidos para Android e é uma boa escolha para quem está em início de carreira na programação. Tem, sido bastante requerido em vagas para desenvolvedores web, engenheiros ou arquitetos de software, entre outros.

 

Go

Go é uma linguagem relativamente nova, lançada em código aberto pelo Googleem 2009, e que atualmente dá suporte a grandes propriedades web da gigante das buscas. O Go é uma das linguagens de programação feitas para a computação moderna, então ela foi pensada para atuar em processadores multicore, sistemas em rede e na computação em nuvem.

Forte concorrente do Java, é um excelente diferencial principalmente para desenvolvedores full-stack, especialistas em DevOps e cientistas de dados.

 

Kotlin

Outra moderna alternativa ao Java, o Kotlin também figura entre as promessas das linguagens de programação no futuro próximo. Considerada fácil e intuitiva de aprender e usar, tem subido no conceito de desenvolvedores. Um salto na utilização do Kotlin também foi marcado depois que o Google anunciou a linguagem como uma das oficiais para desenvolvimento de aplicativos para Android.

O Kotlin foi lançado em 2011, ainda mais novo que o Go, e caminha bem na busca de maior espaço. Os desenvolvedores de Android vão ganhar um diferencial incrível ao apostar no conhecimento do Kotlin para destacar em seu currículo.

 

R

O R é uma antiga linguagem de programação e ambiente de desenvolvimento ao mesmo tempo e também cresce na onda do machine learning. É uma linguagem para gráficos e cálculos estatísticos, por isso tem sido amplamente utilizada para análises e programas de estatísticas. Os usuários colaboram com expansões, chamadas de pacotes, o que tem contribuído para o crescimento do R entre as principais linguagens de programação.

A linguagem é antiga porque data da década de 60, mas é muito utilizada entre cientista de dados que lidam com automação de machine learning. Se você pretende trabalhar com desenvolvimento de projetos de machine learning, data warehouse ou projetos que envolvam estatísticas e predição, aposte na linguagem R.

 

Disponível em: https://www.tecmundo.com.br/software/125425-conheca-linguagens-programacao-crescem-mercado-ti.htm

Mulheres em TI: exceção, só que não

Presença e interesse de mulheres na área de tecnologia é uma tendência irreversível.

Um estudo recente da CompTIA (2014) indica que, mesmo com a maioria masculina no mercado, ocupando 76% dos cargos de tecnologia, a quantidade de mulheres que se sentem realizadas, reconhecidas e satisfeitas com suas remunerações é superior a dos homens (79% a 70%, 71% a 61% e 71% a 60%, respectivamente). Além disso, 73% das mulheres acreditam que usam suas habilidades e talentos no trabalho, contra 65% dos homens.

No entanto, as mulheres sofrem muitas dificuldades e impedimentos na área. Quantos processos seletivos recusam mulheres com filhos? Quantas insinuações preconceituosas já não ouvimos trabalhando? Acredito que exemplos como Ginni Rometty, CEO da IBM, não ligaram muito para isso; pelo contrário. As mulheres que escolhem trabalhar nesse mercado se comprometem, e pra valer.

E esse fato é histórico. Desde o início da computação, mulheres como Ada King, considerada a primeira programadora da história, estiveram presentes e estimulam profissionais de todo o mundo a estudar e a se profissionalizar nessa área. Grace Hoper, conhecida como criadora da expressão bug após encontrar um inseto dentro de um computador, também é um exemplo — dentre outras inspirações.

Como em qualquer outra área, as mulheres devem escolher e lutar pelos objetivos que desejarem. Os exemplos de ontem são os de hoje e os exemplos de hoje serão os de amanhã, o que vai tornar a presença das mulheres no segmento de TI cada vez mais irreversível. Questionamentos relacionados à falta de mulheres no mercado de tecnologia serão cada vez mais inadequados e sem sentido. O certo a se questionar é: por que ainda existem pessoas que fazem algum tipo de distinção em relação a isso? A tecnologia está avançando, que tal realizarmos um upgrade também?

 

Fonte: http://idgnow.com.br/ti-corporativa/2018/02/19/mulheres-em-ti-uma-excecao-so-que-nao/

 

Banco digital do Bradesco, Next adota chatbot para atendimento a clientes

Solução utilizada é o chat cognitivo BIA, já disponível para clientes Bradesco

Next, banco digital criado pelo Bradesco, passará a utilizar inteligência artificial para agilizar o atendimento aos seus clientes. A solução utilizada é o chat cognitivo BIA (Bradesco Inteligência Artificial), já disponível para clientes Bradesco no celular e para os funcionários das agências tirarem dúvidas sobre os produtos e serviços do Banco.

A plataforma foi construída com o Watson, plataforma de computação cognitiva da IBM. Com a ferramenta, o cliente poderá tirar dúvidas sobre serviços e funcionalidades do Next, a qualquer hora, 7 dias por semana, com agilidade e fluidez. Caso deseje falar com o time de consultores, em situações que necessitem de intervenção humana com mais personalização, a BIA direcionará automaticamente a conversa, sem qualquer interrupção no atendimento.

Jeferson Honorato, Superintendente Executivo do Next, comenta que um público hiperconectado quer suporte das soluções que consome a todo momento, com qualidade, agilidade e fluidez. “A solução que a inteligência artificial traz vai perfeitamente ao encontro dessas necessidades”, afirma.

O Chat, como qualquer outra tecnologia, estará em constante evolução. Para isso, o Next dispõe de uma equipe focada na tarefa de aperfeiçoar diariamente a plataforma.

“Como já temos a experiência com a Inteligência Artificial aplicada ao Bradesco, sabemos que a computação cognitiva é, realmente, um ecossistema vivo e dinâmico, onde a tecnologia e as pessoas coexistem e passam, juntas, por um processo de aprendizado mútuo. Por isso, o conteúdo do Next é elaborado com base em pesquisas sobre o que nosso cliente precisa. A é constantemente aperfeiçoada, conforme feedback e demanda de quem usa o nosso serviço”, completa Honorato.

 

Fonte: http://computerworld.com.br